segunda-feira, 24 de outubro de 2011

O Gato Feral


Trecho retirado e traduzido do site dos Neighborhood Cats, de New York e um dos projetos mundiais pioneiros e mais bem sucedidos de Captura, Esterilização e Devolução - http://www.neighborhoodcats.org/HOW_TO_WHAT_IS_FERAL_CAT

"Um gato FERAL é um felino que retornou ao estado selvagem. São descendentes de gatos domésticos que se perderam de casa e/ou foram abandonados e forçados a aprender a viver nas ruas ou em ambientes com pouco contato humano, como armazéns, fabricas e prédios abandonados. 

Na maioria das vezes os gatos não são completamente selvagens pois ainda dependem de pessoas para alimentar-se, tanto de alguém que alimenta os gatos da área uma vez por dia, restos de um restaurante ou lixo domiciliar próximo. 

Poucos gatos ferais sobrevivem apenas de caça em ambientes urbanos. ( em países como Australia e Nova Zelandia e em outros locais isolados com ecossistemas frágeis, os gatos ferais são considerados pragas, pois são caçadores extremamente eficazes e conseguem dizimar espécies inteiras em pouco tempo. )

fêmea caçando

Há diferentes níveis para um gato feral, dependendo de alguns fatores.

Primeiramente devemos considerar a idade do gato. Filhotes tem maior chance de serem socializados e re-introduzidos em uma vida domestica de maneira mais rápida e bem sucedida do que um gato feral adulto. Outro fator é a qual geração este gato feral pertence.

Um filhote que nasce nas ruas de uma mãe que já foi gata domestica é mais propenso a socialização do que o gatinho de uma mãe que vem de varias gerações de ferais.

A quantidade de contato humano também é um fator importante para determinar a ferocidade destes animais. Se os gatos tiverem interação regular com pessoas, mesmo de longe, como freqüentar jardins de uma vizinhança, eles tendem a ser mais amigáveis do que aqueles que vivem em matagais ou ruas que poucas pessoas transitam. Finalmente, há o fator selvagem que é natural a todo felino e sua personalidade. Casos de gatos adultos, advindos de gerações de gatos ferais, que foram largamente isolados de pessoas, que foram domesticados, até acontecem, mas são exceções.


reação de gato feral capturado

É importante reconhecer que, para um gato feral, a coisa mais humana a ser feita é permitir que continue a viver solto. Tentativas de domesticação desses animais é o mesmo que desejar que um esquilo ou guaxinim sejam animais de estimação – você pode até ter algum sucesso, mas nunca completamente e somente após muito tempo e paciência despendidos.

Mais do que isso, você não estará dando ao animal a oportunidade de viver a vida a qual ele já está adaptado. Muitas pessoas bem-intencionadas acham que estão salvando um gato feral ao resgatá-lo e trazê-lo para sua casa, mas acabam condenando a pobre criatura a uma vida debaixo da cama e em constante stress e medo.

A CAPTURA, ESTERILIZAÇÃO e DEVOLUÇÃO ( C.E.D ) respeita o estado selvagem desse gato feral. A castração de ferais impede um enorme sofrimento – já que nenhum animal deveria nascer e ser obrigado a sobreviver nas ruas - e protege o gato da hostilidade que seu comportamento agressivo possa causar aos humanos a seu redor. O retorno desse animal ao seu território, onde já conhece as fontes de alimento e abrigo, dá a eles a oportunidade de viverem entre os seus e de viverem de acordo com a condição que lhes foi imposta."

O meu próprio gato poderia ter virado mais um feral que ronda o meu bairro.
Sua mãe foi atropelada e ele viveu um mês sozinho nos jardins do meu prédio, rosnando e se afastando das pessoas.
Demorou muito tempo para que ele confiasse em mim e me deixasse tocá-lo.
Mas como é descrito no texto, ele tinha apenas 3 meses de idade e minha experiência prévia com gatos me ajudou em uma socialização adequada, juntamente com a castração, para que ele se tornasse tranqüilo e manso e, depois de quase um ano, finalmente se tornasse um gato de apartamento, totalmente adaptado.

Infelizmente não é todo mundo que está disposto a doar seu tempo para a socialização de um animal, o que torna o resgate de um gato feral ainda mais dispendioso para protetores que já possuem recursos escassos.

A maioria das pessoas ignora e ojeriza gatos ferais, pois ninguém gosta dos rosnados e comportamento agressivo e territorial que demonstram. Eles são os gatos que ninguém ajuda, apesar de sua existência ser resultado direito de nossa irresponsabilidade e ignorância.

Além da pessoa não castrar o bicho de estimação, ainda o deixou vagando nas ruas, sujeitando-o também a inúmeras doenças causadas por acasalamento e brigas.

Não é raro testemunharmos o atropelamento proposital desses gatos, ver pessoas encurralando-os, agredindo-os e assassinando com chumbinho.

Se não é possível reverter o estado selvagem que eles se encontram ou/e encontrar lares para todos, é necessário atuar na fonte, sendo o C.E.D é a maneira mais humana e eficaz para impedir que o número de gatos ferais e vitimados cresça.

A castração promove uma redução na sua agressividade para com pessoas e outros animais, impede os riscos advindos da reprodução e, ao manter números controlados de colônias em áreas urbanas, assegura que os indivíduos tenham recursos alimentícios – mesmo que inadequados em relação a qualidade e quantidade - a sua disposição, tornando sua sobrevivência um pouco menos sofrida.

3 comentários:

  1. Tive 2 experiências com este tipo de gato, e hj sei que tentar domiciliar um gato neste estado é uma violência...Parabéns pela elucidação, estou compartilhado no FB.

    ResponderExcluir
  2. parabens pelo amor aos animais amo muito felinos e caes mais amu muito gatos tenho 4 felinos e os amo muito parece q eles converssam comigo sao companheiros e sabem quando estou triste :)

    ResponderExcluir
  3. Quando peguei a minha gata ela era assim , muito brava , apareceu pra comer ração do cachorro da casa . Com calma e dedicação ela melhorou,

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.