quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Castração em Gatos - FATOS

Infelizmente o nível de ignorancia das pessoas em relação à castração ainda é muito alto. 
Não somente os preconceitos, mas o desconhecimento de informação mais básicas.

Em parte culpo a própria pessoa que pretende ter um animal e não pesquisa sobre os mínimos cuidados. Ou ao menos os mais importantes. Quem nunca viu um bicho que vai toda semana banhar, fazer tosa e hidratação no petshop, mas come ração de combate, as vacinas estão atrasados e o dono não castra? Ou gente que diz que não tem dinheiro para castrar mas está sempre no facebook postando fotos de festas, saídas e outros itens supérfluos?

Em segundo, culpo os veterinários, pois - pelo menos em minha cidade - ainda há uma grande parcela que não aborda o procedimento como necessário para o bem estar do bicho, perdendo assim uma excelente oportunidade de educar inumeros donos, evitar a reprodução indiscriminada e a criação de fundo de quintal, além dos problemas de saúde e comportamento que irão acometer o animal.
( Leia - http://amoremiados.blogspot.com/2011/09/veterinarios-x-abandono.html )

Em terceiro, culpo o governo, que não investe em campanhas de conscientização em relação a guarda responsável, que não investe em centros de esterilização para promover multirões, especialmente para pessoas carentes e que ainda não assumiu seu papel para a diminuição dos números do abandono.

Então, vamos abordar a castração em fatos concretos e tentar conscientizar mais pessoas sobre este importante procedimento para o bem estar do animal

1- Gatos e gatas atingem a maturidade sexual com 6 meses de idade. Quando há animais não-castrados pela região isso poderá causar cio precoce nas fêmeas e elas podem emprenhar aos 5 meses de idade. 

Machos mais jovens também podem se tornar territoriais ( marcando a casa com urina, se tornando stressados e agressivos ) e fugir para reproduzir e brigar quando há outros machos inteiros ou fêmeas no cio. 

Durante o acasalemento o gato pode contrair inúmeras doenças, algumas incuráveis, além de estar à mercê dos perigos nas ruas, como envenenamento, agressões e atropelamento. 

Com 30 dias de parida, uma gata pode entrar novamente no cio e engravidar novamente.

Um animal castrado tem um aumento na expectativa de vida de pelo menos 5 anos em relação a um animal não-castrado.


2- Quanto mais cedo for castrado, melhor para o animal.

Ao redor do mundo a castração de filhotes - castração pediátrica - é feita aos 2 meses de idade. Em grandes e desenvolvidos centros brasileiros, como São Paulo, também. Isso diminui os riscos cirúrgicos, diminui o tempo de recuperação e os problemas de saúde e comportamento que eles poderiam ter. 

Em animais para adoção, é imprescindível que sejam castrados antes de serem doados. 
Até o melhor e mais responsável dos donos pode acabar com uma fêmea prenhe por descuido ou um macho atropelado por fuga para reprodução.

( Leia - http://felinosurbanos.blogspot.com/2011/11/castracao-precoce-fatos.html )

Se em sua cidade não há profissionais capacitados para o procedimento, leve o gatinho para operar assim que completar seis meses e, no caso de animais doados antes, se comprometa com sua esterilização na idade adequada.

Nenhum protetor sério e com caráter doa animais não-castrados ou sem o compromisso de custear sua castração na idade adequada. 

3- A técnica de gancho é a mais bem-sucedida para castração em fêmeas. Faz-se uma pequena incisão, o útero e ovários são encontrados com o gancho cirúrgico e devidamente retirados. Geralmente não é necessário mais de 2 pontos de sutura. Evita-se assim o risco de hernia e infecções pela não exposição desnecessária das vísceras e diminui-se o tempo de recuperação.

Em alguns locais, já se utiliza apenas cola cirúrgica, pelo tamanho minimo da incisão. Quanto mais competente o veterinário, menor a incisão da cirurgia.
gatinha #33

4- O animal não se tornará "lerdo", gordo ou dorminhoco pela castração. A responsabilidade para que ele se mantenha ativo e em forma é inteiramente do dono.
( Leia - http://amoremiados.blogspot.com/2011/09/vida-indoor-e-enriquecimento-ambiental.html )

5- A castração não impede que o gato ou gata vá para as ruas. 
O argumento "meu gato foi castrado mas ainda foge" apenas deixa claro a sua irresponsabilidade ao permitir que ele tenha acesso à rua e seja vitima de atropelamentos, crueldade e doenças.



Somente muros altos e janelas teladas, assim como outras barreiras físicas, impedem que um animal caçador, curioso e territorial como o gato se mantenha dentro de casa.

Nos tempos de hoje a castração deve-se tornar prioridade. São milhares de animais que nunca encontrarão um lar e alguém para zelar por eles. Seja você um dono, protetor ou veterinário, nós como sociedade não podemos mais permitir que tantos filhotes nasçam neste mundo que não cuida nem dos existentes. 


Se centenas de pessoas ao redor do mundo gastam tempo e dinheiro para castrar inúmeros animais todos os dias, acredito que você possa agir corretamente com o único que possuí em casa :)

Para finalizar: 




Um comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.