domingo, 19 de fevereiro de 2012

70 gatos e um acontecimento inusitado

Hoje o plano original era pegar o gato que faltava do terreno do #45 e pegar o gatinho com sarna da área da #58, que está em estado critico. 

Quando chegamos ao terreno, avistamos todos os gatos castrados anteriormente, inclusive as duas últimas fêmeas e o amarelo que arrancou um pedaço de nós. Estavam todos bem. O único que faltava, um gatinho amarelo do peito branco, também estava lá. 

Com a armadilha preparada, uma senhora se aproxima do terreno, já perguntando o que estávamos fazendo ali. Explicamos. E ela perguntou onde estavam os "filhotes" da gata branca - que na verdade foi operada com piometra. 



Explicamos novamente o que havia acontecido, demos todas as informações sobre a clinica e o veterinário para que ela checasse. A senhora começa a nos contar que a anos "cuida" dos gatos do local, que deveríamos ter pedido permissão. 

 Por quase 1 hora ela voltava para os mesmos argumentos sem base, mesmo com toda a nossa paciência em tentar explicar o projeto, que cada gato ali estava castrado, que havia recebido uma consulta médica, que eu não tiraria do meu bolso por algo que não seria necessário e que eu, assim como ela, também gostava dos gatos. 

Coloquei-me a disposição para mostrar todos os outros focos da colônia, dei o endereço do projeto para ela na internet, com as fotos e fichas de cada animal. Ela me disse que em sua casa havia 12 gatos, todos retirados da rua. Reclamou na dificuldade de doar e que gostaria de adotar os gatos do terreno ( FERAIS! ) mas sua mãe que não queria mais animais em casa. 

Reclamou até do fio absorvível e perguntou se os gatos eram "mesmo" anestesiados para as cirurgias ( oi? )

E nos contou que uma das gatas, a alguns meses, teve que ser ajudada por ela pois começou a parir e os filhotes ficaram presos no canal de nascimento, vindo a falecer. E mesmo assim ela não castrou a mãe. 

Explicamos que as gatas estavam bem, ela disse que queria levar a gata que teve piometra para uma ultrassonografia, pois estava "com medo de terem feito macumbaria ou experiências" com os gatos e disse que não entendia como eu conseguia pegá-las. Mostrei a gatoeira e falei que havia feito um seminário no Canadá a respeito e que o projeto havia até mesmo saído em uma reportagem  em São Luís. 

Ela contou que havia pego os filhotes da gata branca para doar e expliquei que já estavam castrados, o que a espantou, já que sua veterinária não realiza castração pediátrica, esperando nas fêmeas após o primeiro cio ( e possivelmente após uma primeira prenhez ) para esterilizá-las.

Ela parecia já ter entendido e até concordado com nossas ações, até que falou na questão das orelhas. Mesmo explicando todos os motivos, como sempre faço, e até pedindo uma alternativa, ela nos acusou de estar "fazendo experiêncas com os seus gatos" se zangou e saiu andando de volta para a sua casa, acabamos não capturando o gato restante do terreno.

A conversa durou um pouco mais de 1hr e por todo o tempo, na minha cabeça, eu me perguntava se realmente estava escutando aquilo, de tão surreal a situação.

Então a pessoa achava melhor que os animais ficassem reproduzindo no terreno, do que castrar? E já que os gatos "são dela", o que fazem nas ruas, sujeitos a todos os perigos? O que fazem as fêmeas parindo repetidamente e até tendo problemas de saúde por conta disso? E, se estava tão preocupada com a gata operada, por que não aceitou nossa ajuda para capturá-la e levá-la ao veterinário?

Em outros países as pessoas que praticam C.E.D recebem prêmios e são apoiadas e respeitadas em sua comunidade. As pessoas que praticam C.E.D aqui no Brasil possuem minha grande admiração pois sei o quanto é difícil. Mas parece que somente arriscar os dedos, investir horas e MUITO dinheiro não é suficiente para provar que nos importamos ou para que não sejamos acusadas de coisas absurdas. 

O projeto Felinos Urbanos sempre agiu da melhor forma possível com estes gatos e com muita clareza, em respeito a todos as pessoas que nos apóiam. Acredito, fortemente, que os gatos do projeto recebem o MELHOR manejo, atendimento veterinário e cirurgias de toda a São Luís. 

Nem mesmo os proprietários dos gatos da cota social reclamaram da marcação das orelhas após a explicação.

Estamos dentro dos padrões de projetos ao redor do mundo inteiro e de SP, Santos e RJ. A única diferença é que nossas castrações não são financiadas pelo governo ou município.

É uma pena que uma mente ignorante possa desferir essas palavras e não levar em consideração o bem estar dos animais que diz cuidar e gostar.

Felizmente todo esse acontecimento não foi o bastante para nos impedir de fazer o bem. 
Pudemos finalmente capturar o gatinho com sarna - apelidado de Frankstein - e ajudá-lo. 

E assim, ele se tornou o #69 



lado do pescoço, crostas e ferimentos
orelhas e topo da cabeça
outro lado do pescoço
ombros
gatinho já medicado contra sarna e castrado
Por ser feral não foi possível mantê-lo internado, mas ele recebeu uma medicação para a sarna que possuí um alto nivel de sucesso a curto prazo. Irei ficar monitorando-o para perceber melhoras.

#69 na caixa, fomos para a area da #67 - estava linda, brincando de subir em uma arvore próxima - e também avistamos o #54, plenamente curado de seus ferimentos de briga e bem saúdavel :) 

E depois de alguns minutos de espera, capturamos a nossa 70º felina urbana, mais uma gatinha feral! :)

linda tricolor :)
cirurgia finalizada :)
1 pontinho :)
orelhinha marcada

Os gatos passam bem e estão dormindo. Serão liberados amanhã assim que acordarem plenamente da anestesia :)

O Felinos Urbanos se deixa à disposição pra sanar qualquer duvidas em relação ao manejo e cirurgias desses animais que não ficaram claros em nossos textos informativos.

Raspamos todas as nossas economias e encerramos as castrações pelo mês de fevereiro.  Obrigada por toda a ajuda e apoio nestes 70 gatos, esperamos que possamos em breve completar os nossos 100 primeiros animais ajudados :)

E, tenham certeza, todos os nossos atos são feitos com respeito e amor a estes gatinhos.


8 comentários:

  1. Otávia Mello, você tem o meu TOTAL e IRRESTRITO respeito pelo seu trabalho.

    Estar numa capital de estado e ter que enfrentar uma "discussão" dessas é realmente desanimador, gostaria que a tal senhora, tão preocupada, apresentasse o trabalho dela na internet, pra que TODOS possam avaliar as "estratégias" dela, inclusive pessoas de fora desse país que acompanham as SUAS estratégias, Otávia.

    Aproveitando, quero parabenizá-la pela captura, esterilização e tratamento digno e de alto nível do 70º gato atendido pelo seu projeto.

    Que venham muitos mais!

    Obrigada pelo que você faz aí em SLZ, ninguém faria melhor.

    Leila Piffer (Santos - SP - Brasil)

    ResponderExcluir
  2. Não deem ouvidos à ignorância alheia. Espero que possam continuar com este belíssimo trabalho por muito tempo ainda! Um dia, se Deus quiser, terei meu abrigo para gatos aqui em SP, pois também me vejo na missão de ajudar o máximo desses preciosos felinos que enchem nossas vidas de alegria!

    ResponderExcluir
  3. aiaia é cada uma..... Incrivel! Quando estamos fazendo algo certo, aparece 10 pessoas pra criticar e atrapalhar, mas nenhuma pra ajudar. Se aparecesse alguem com uma espingarda nesse terreno, disposto a matar todos os gatos, du-vi-do que a tal moça iria aparecer para "defender" os gatos rsrsrs Mais uma vez parabens pelo seu trabalho resgatando e recuperando vidas em risco :)

    ResponderExcluir
  4. não deixem que pessoas ignorantes interfiram no trabalho de vocês. Parabéns por fazer o bem! Boa sorte!

    ResponderExcluir
  5. Conseguimos #70 Otávia, isso é o que importa. Pessoas como a que surgiu ontem sempre srugirão, mas não serão o bastante para continuarmos a fazer o bem. Ainda vamos pegar o amarelinho do peito branco, porque somos teimosas!!
    Mirella Brito Rosa

    ResponderExcluir
  6. Gente pra criticar sempre vai existir... o CED ainda causa polêmicas... aqui na minha cidade, o pessoal do Canil Municipal tentou implementar a tecnica qdo foi proibida a eutanasia de animais capturados pelo CCZ, e sabe o que aconteceu? O veterinario responsável foi processado criminalmente por abandono animal, qdo foi devolver os cães castrados à região que viviam. Tanto que qdo sugeri a implementação de um projeto de CED com apoio do CCZ, o veterinario quase chorou, pq disse que era td que ele queria, mas não podia correr o risco de ser processado de novo...

    ResponderExcluir
  7. Liga para isso não menina e nem se zangue com essas pessoas, elas apenas não sabem, não detém o conhecimento.
    Mantenha a calma e tente concientizar o maior número possivel de pessoas assim como esterelizar o maior número possível de gatos, sempre com muita calma e paciencia é claro.

    Não vejo aqui em São Paulo um trabalho semelhante ao que fazes ai.

    Meus parabéns.

    Célio R. Pacheco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Célio, a Confraria de Miados e Latidos atua com C.E.D em SP :) Na verdade eles são a nossa consultoria tecnica. Obrigada pelo apoio!

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.